Moving time  6 uur 38 minuten

Tijd  10 uur één minuut

Coördinaten 3798

Geüpload 28 maart 2020

Uitgevoerd maart 2020

-
-
1.063 m
414 m
0
5,2
10
20,98 km

14 maal bekeken, 2 maal gedownload

nabij Coelheira, Viseu (Portugal)

Tenho como objetivo passar em todos os trilhos que fazem parte do Pisão Extreme, uma prova super exigente que decorre desde 2018 nesta Serra da Arada.
O Pisão Extreme tem 4 provas, todas com inicio e fim no Bioparque do Pisão, uma prova tem 15k e cerca de 1000+, outra de 25k com 2000+, a de 35km com cerca 3000+ e a mais dura de 65k e mais 6000 acumulado+ e percorre a Serra da Arada por trilhos inimagináveis.
O percurso da prova de 15k, é comum as outras, já tinha realizado recentemente este percurso, assim, hoje, decidi seguir para efetuar os restantes 21 km para totalizar a prova dos 35k, deixando a subida do Fujaco quando fizer a totalidade da prova dos 25k.
Iniciei na eólica n. 27 do Parque eólico, daqui desce-se por uma das Garras da Serra da Arada, trilho bem conhecido e que nos leva até à ribeira ao fundo de Gourim, após passar a ribeira, inicia-se a subida à aldeia, curta mas dura, de Gourim para o estradão de ligação à Drave a subida inicia-se junto à ribeira e segue por trilho de pé posto pela encosta acima e na parte final sobe-se através do leito de uma ribeira que se encontra seca.
Chega-se à estrada de ligação à Drave, a descida faz-se pelo caminho antigo da Drave, nesta época a paisagem é fabulosa, com a Drave bem no fundo do vale, rapidamente descemos a encosta, entramos na aldeia e após passar pelas ruas da aldeia abandonada, inicia-se mais uma subida com cerca de 1km, por trilho de montanha, a serpentear a Serra chega-se ao planalto, já com o Portal do Inferno bem à nossa frente, mas mal se chega ao topo imediatamente começa-se a descer pelo trilho do sol, este caminho também já realizado por diversas vezes, leva-nos ao fundo do vale e à ribeira que segue para a Drave, atravessa-se a ribeira e inicia-se a subida para o Portal do Inferno e que subida esta, dura, muito dura, sem trilho definido era procurar o melhor caminho através das pedras pelo monte acima, com diversas paragens para apreciar todo este vale, para mim a melhor parte do percurso, a subida termina na estrada de alcatrão que segue para Regoufe, bem no cimo, uma paragem longa para apreciar mais uma vez toda esta Serra, atualmente em tons de amarelo e violeta.
Depois de atravessar a estrada de alcatrão, era hora de descer na direção de Covas do Monte, o trilho sem grande problema, largo mas com bastante pedra e também nosso bem conhecido de outros percursos, segue para Covas do Monte, aldeia bem no fundo do vale e com as terras todas verdejantes, mais uma paisagem magnifica.
Ao chegar à aldeia uma pausa prolongada para o almoço, o percurso até aqui foi um sobe e desce constante, os joelhos não tiveram descanso, não tivemos 100 metros de plano, ou descia-se ou subia-se e não sei o que custava mais.
Após o almoço seguimos para o velho trilho dos pastores, a subida é longa, mas não tão dura como as anteriores, já com algum desgaste acumulado lá fomos pelo trilho acima, por vezes a subida aligeirava, mas era quase sempre a subir até chegar à estrada de alcatrão.
Atravessamos a estrada e a partir deste local o caminho é muito mais fácil, primeiro uma ligeira descida, para iniciar a subida, também ligeira, até chegar à estrada do São Macário, junto ao cruzamento para o Fujaco, ainda se ponderou descer ao Fujaco para subir pela famosa subida do Fujaco, mas optamos por deixar esta parte para quando fizermos os 25k.
Assim na estrada, viramos à direita e seguimos junto a esta estrada durante cerca de 2 km, caminhava-se umas vezes no alcatrão, outras pelo monte com a vegetação mais rasteira a progressão era fácil, antes de chegar ao cruzamento da estrada que segue para Carvalhais, a subida é íngreme, mas curta, atravessamos a estrada e subimos para o estradão das eólicas que nos leva rapidamente até onde iniciamos este magnifico trilho.
Atenção que o percurso não tem qualquer marcação, devem utilizar o GPS, existem pontos de abastecimento líquido nas aldeias.
Relativamente ao grau de dificuldade considero Muito Dificil, não pelos quilômetros, mas sim pelo acumulado, cerca de 1800mt num sobe e desce constante maior parte em trilhos de pé posto.
Mas sem dúvida a beleza do percurso vale todo o esforço, a repetir, dos meus favoritos, principalmente nesta época com a Serra da Arada com estas cores.
A seguir segue-se o de 25k.
foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

foto

Foto

Commentaar